Pular para o conteúdo principal

A Família e o Tempo

Tempo é a sucessão de anos, dias, horas ou momentos que envolve, para o homem, a noção de presente, passado e futuro; é o espaço determinado onde a vida se inicia, se desenvolve e se remete à eternidade. Na verdade, o que mais nos importa aqui não é o tempo em si, e sim, os acontecimentos que nos envolve no tempo concedido por Deus para nossa vida terrena.

Em grego, há duas palavras que são empregadas para definir tempo: Chronos e Kairós.

Chronos – É o tempo corrido, o dia-a-dia, onde tudo é igual e nada de novo acontece. É o tempo em que nos encontramos e perguntamos uns aos outros: O que há de novo? A resposta é: nada!

Ec 1:9“O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol.”

Kairós – É o tempo das coisas estimulantes, das grandes decisões, dos grandes acontecimentos que mudam vidas.

At 22:6“Ora, aconteceu que, indo eu já de caminho, e chegando perto de Damasco, quase ao meio-dia, de repente me rodeou uma grande luz do céu.”

Algumas pessoas gostariam que tudo passasse num tempo “Chronos”Dentro deste grupo, há pessoas de temperamento predominantemente melancólico, que não se sentem estimulados em buscar ou viver novidades.

Outro grupo de pessoas acha que a vida deveria se desenvolver num eterno “Kairós”Neste grupo encontramos as pessoas hiperativas, com temperamento predominantemente sangüíneo. Parecem possuir “gás” duradouro e constante, necessitando estarem estimuladas por novidades que devem brotar diariamente.

Apesar dos nossos desejos, a verdade é que nossa vida se vai alternando em tempo “chronos e kairós”. Momentos em que nada há de novo debaixo do céu, e momentos em que grandes acontecimentos envolvem a nossa vida.

Em se tratando de família, qual a lição que podemos extrair desta realidade.

Quando namorando e noivando:


A paixão estimula a visão distorcida do casamento:

-     A companhia do outro é previsível e agradável em todo tempo;

-     A beleza física do outro é num eterno “kairós”;

-     As dificuldades não existem; Se existirem, é só na casa ao lado; E, assim viverão para sempre.

Quando casados:

O início de uma relação se dá no tempo “kairós”, o tempo das coisas estimulantes. No entanto, mais cedo ou mais tarde, o tempo “kairós” se transforma em “chronos” e aí muitos casais acham que casaram errados ou que se precipitaram ao casar com seu cônjuge.

Na verdade, é a vida se apresentando da forma que é. Uma sucessão de tempos alternados, onde a exigência de maturidade fará com que, cada pessoa, demonstre realmente quem ela é.

Aprendamos como viver, tendo como base, o episódio que envolveu José e o sonho de Faraó, das vacas gordas e magras.

Gn 41:2-4“E eis que subiam do rio sete vacas, formosas à vista e gordas de carne, e pastavam no prado. 3 E eis que subiam do rio após elas outras sete vacas, feias à vista e magras de carne; e paravam junto às outras vacas na praia do rio. 4 E as vacas feias à vista e magras de carne, comiam as sete vacas formosas à vista e gordas. Então acordou Faraó.”

Observe:

ü  Primeiro vieram sete vacas formosas e gordas de carne – Significa um período de colheita abundante e satisfação de nossas necessidades. É o tempo “kairós”.

ü  Depois vieram as vacas feias e magras de carne – Significa um período de escassez e debilidades. É o tempo “chronos”.

O que preciso chamar a sua atenção é para o acontecimento seguinte, mostrado no sonho do Faraó. As vacas magras e feias comeram as vacas gordas e bonitas. Daí aprendemos:

Ø  O período de colheita abundante e satisfação cria a ilusão de que estamos fortes. Em virtude disto, relaxamos e vivemos regaladamente;

Ø  O período da escassez e debilidades foi mais intenso que o período da fartura;

Ø  A gordura acumulada das vacas gordas não foi suficiente para resistir às vacas magras.

Aprendendo a viver em tempo “chronos” e “kairós”, com José.

Gn 41:33-36“Portanto, Faraó previna-se agora de um homem entendido e sábio, e o ponha sobre a terra do Egito. 34 Faça isso Faraó e ponha governadores sobre a terra, e tome a quinta parte da terra do Egito nos sete anos de fartura, 35 E ajuntem toda a comida destes bons anos, que vêm, e amontoem o trigo debaixo da mão de Faraó, para mantimento nas cidades, e o guardem. 36 Assim será o mantimento para provimento da terra, para os sete anos de fome, que haverá na terra do Egito; para que a terra não pereça de fome.”

Três conselhos simples e objetivos para viver em períodos tão distintos:

v    É preciso sabedoria e entendimento para gerir sua casa;

II Cr 1:10“Dá-me, pois, agora, sabedoria e conhecimento, para que possa sair e entrar perante este povo; pois quem poderia julgar a este tão grande povo?”

Pv. 14:1 “A mulher sábia edifica sua casa, mas, a tola, a destroe com suas próprias mãos.”

v    Pode-se desfrutar do tempo da fartura, porém, é preciso economizar para suportar o tempo de escassez;
  
Ec 12:1“Lembra-te também do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento”.

v    Quando perceber que sozinho não conseguirás lidar com as dificuldades, busque ajuda;

1.  Do cônjuge;

2.  Depois de parentes próximos;

3.  De amigos mais chegados.

Is 41:6“Um ao outro ajudou, e ao seu companheiro disse: esforça-te!”

Sigamos estes conselhos:

Na área afetiva do casal:

Ø  Desfrute da convivência no tempo “kairós” intensamente;

Ø  Quando “chronos” chegar, se suportem, se respeitem e se perdoem, até que passe.

No ambiente familiar:

Ø  No tempo “kairós”, aproveite para estreitar ainda mais os laços familiares, promovendo almoços, festas e passeios; Só não esqueça de que “chronos” vai chegar. Por isso, economize e mantenha os pés no chão;

Ø  Quando “chronos” aparecer, utilize a reserva que fez de forma planejada, e convoque todos os membros da família para ajudar a superar o momento difícil;

Ø  No tempo “kairós”, não se esqueça de Deus. Agradeça-lhe por tudo que concedeu a sua família;

Ø  No tempo “chronos”, não murmure contra Deus, antes, se aproxime d’Ele e, apesar da escassez, receba graça abundante.

 

Na vida pessoal


Se você está vivendo um tempo “kairós” em sua vida, esteja preparado para passar por “chronos” e vencer.

I Co 10:13“Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.”

Tg 1:12“Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam.”

Se você está vivendo um tempo “chronos”, tenho uma boa notícia: o tempo “kairós” está chegando para você.

Sl 30:5“Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.”

Jó 19:25“Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.”

Finalmente, é preciso amadurecer e aprender as lições que a vida nos ensina a cada momento. Este aprendizado, é suficiente para concedernos a capacidade de viver bem, quer seja em abundância, quer seja em escassez.

Dito isto, resta-me lembrar-lhes que depois de “kairós” virá “chronos”, porém, não nos deixemos cegar para a certeza de que, depois de “chronos”, virá “kairós”.

Fl 4:11-13“Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. 12 Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. 13 Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…