Pular para o conteúdo principal

A Notícia. Ou, O Gato Por Lebre.

Estamos mesmo vivendo tempos loucos. As coisas que são deixaram de ser porque alguém resolveu que deveria. Assim nasce o engano. Aceito como viável para auferir lucro, ganha as manchetes de jornais e revistas, sendo impresso num processo de lavagem cerebral na consciência popular.

De repente, a novidade: "Leilão de virgindades". Uma brasileira e um russo resolvem - claro que amparados por "empresários (ou gigolôs?)" - leiloarem suas respectivas virgindades. É isso. Virgindade se tornou tão rara que em tempos de relativismo moral disputa-se em leilão.

No entanto, qual o nome define "atividade que obtém lucro através de serviços sexuais?" PROSTITUIÇÃO.

E assim vamos. Não vou discutir o mérito da decisão dos jovens que leiloaram suas virgindades. Cada um faz o que quer de sua vida e, sempre, paga por isso. Talvez, desespero pela falta de perspectiva futura ou ânsia por fama barata (tá na moda). Vá saber.

Chamo a atenção para essa forma da mídia propagandear os atos que, originalmente, são repudiados a partir das palavras que as definem. Trata-se da tentativa de formatação do pensamento. Esta é a forma de se criar um novo conceito "políticamente correto." O que é implantado no sub-consciente popular é: "Prostituição, não! Leilão de virgindade." Isto evita a repulsa e arrefece as críticas.

Os editores e jornalistas em seus veículos de mídia parecem adotar em suas pautas a determinação de tornar o moralmente inaceitável aceitável apartir da mudança das palavras utilizadas para definir o ato que se pretende noticiar. Com isto, ao longo do tempo, vão tentando padronizar o pensamento no tecido social. É comum se vê e ouvir entrevistas em que o cidadão tenta justificar atitudes moralmente erradas afirmando que "todo faz", "todo mundo pensa", "todo mundo diz"... Eis a ambição. Nada mais enganoso.

A diversidade de pensamentos no tecido social é real e estimulante. Ela nos desafia a argumentação. Mas, uma parcela considerável de "especialistas", cientistas sociais, jornalistas, editores dos veículos de comunicação, principalmente os "grandes", não conseguem conviver com esta diversidade. Para o contrário, criam programas cujo objetivo final é a "padronização do pensamento." Claro, de viés liberal e esquerdista.

São sempre os mesmos na telinha, no jornal, na revista, falando a mesma coisa, com o mesmo ponto de vista, quando não mudam para piorar um pouco mais o que pensavam. É perceptível a ausência na mídia de qualquer pessoa que defenda um ponto de vista conservador ou tradicional. Será que elas não existem? Será que "todos" são liberais ou de esquerda? Será que o mal está em ser conservador e o bem em ser liberal? Será que só existem progressistas naquilo que se convencionou chamar de pensamento de esquerda?

O movimento que se vê hoje é tão insano que defendem a tolerância sendo intolerantes com quem diverge dos seus conceitos. Qualificam de preconceituosos quem não concorda com seus pré-conceitos, e o fazem com intuíto de descredenciá-los no debate e negar-lhes a voz.

Pensar dá trabalho, mas, é preciso discernir, senão, vamos continuar recebendo gato por lebre, e quando tentarmos abrir o olho, não vai dá. Eles já nos vedaram a possibilidade de devolver o que não queremos comprar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…