sexta-feira, 17 de setembro de 2010

TEMPLO DAS VAIDADES

Foi noticiado o lançamento da pedra fundamental do “Templo de Salomão” (Salomão deve ter se revirado no túmulo), assim denominado pelos seus projetores, a ser construído na Cidade de São Paulo. Trata-se do desejo colocado em prática pelo bispo Edir Macedo (Igreja Universal do Reino de Deus), de construir um mega-templo com as características do templo idealizado pelo rei Davi e construído por seu filho, Salomão.

A pergunta que me veio a mente foi: “pra quê?” Já não bastasse os suntuosos templos construídos em todo lugar, se aventuram nesta mais nova empreitada que, com certeza, consumirá milhões de reais dos milhares de fiéis à igreja que congregam na referida denominação. A pergunta retorna: “pra quê?”.

Fico a refletir sobre as milhares de pessoas, inclusive fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus, que não possuem casa própria e habitam em ambientes insalubres e indignos para qualquer ser humano. Vale lembrar que no tempo de Davi / Salomão, o templo foi construído com o objetivo de abrigar a arca do conserto, que guardava elementos que simbolizavam a presença de Deus no meio de seu povo. Nos dias atuais, tal argumento não cola, afinal, estamos no tempo da graça, onde a presença divina se dá através do Espírito Santo dentro do templo construído pelas próprias mãos de Deus, ou seja, o ser humano. “Mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens, como diz o profeta: o céu é o meu trono, e a terra o estrado dos meus pés. Que casa me edificareis? Diz o Senhor, ou qual é o lugar do meu repouso? Porventura não fez minhas mãos todas estas coisas? Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido. Vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais”.

Melhor serventia teria se empregassem os recursos financeiros na construção de casas populares, na implantação de clínicas para atendimento médico para a população pobre, na implantação de serviços sociais que amparassem o povo sofrido que freqüentam os templos na esperança de “pararem de sofrer”.  Sei, é dever do estado brasileiro oferecer tais serviços, no entanto, não nos isenta da nossa responsabilidade de fazer o bem – “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado” - Tiago 4:17. É a velha história contada por Jesus em Lucas 10:30-36. As pessoas estão sendo assaltadas e espancadas durante a caminhada ao céu, porém, mesmo vendo seus sofrimentos, os sacerdotes e os levitas estão preocupados com a vaidade de suas posições e poder. Estão cegos para as necessidades sociais do próximo que só está próximo quando se trata de arrancar-lhes os recursos financeiros que precisam para manter seu luxo e seus projetos mesquinhos.

A falácia carnal está mais em voga do que nunca, pois, em vez de “Templo de Salomão”, esta empreitada nos remete é ao “Templo das Vaidades”.

Nenhum comentário: