Pular para o conteúdo principal

O Egito e Seus Faraós Entre Nós, Cristãos.


Parece que voltamos ao Egito, onde o povo de Deus, escravizado, é “obrigado” a trabalhar para sustentar a corte de Faraó. Não podiam adorar a Deus, colher alimentos e obter recursos que lhes possibilitassem cuidar dignamente de suas famílias, porque colocavam em risco o luxo e as facilidades da vida do soberano e sua côrte.

Não me refiro a aplicação lógica do texto bíblico mencionado no livro de Êxodo, que trata da escravidão do povo hebreu pelos egípcios e sua compreensão contextualizada da relação cristão e o mundo pagão. Refiro-me a vida atual do cristão e sua relação com a própria comunidade cristã e suas organizações religiosas dominantes.

Vivemos presos nos templos e desafiados a testemunhar nossa fé em Deus através dos dízimos e ofertas alçadas. Vale destacar que o mandamento de sustento da casa de Deus com dízimos e ofertas é bíblico e inclui o sustento dos sacerdotes e levitas. No entanto, é preciso compreender que “sustentar” é “manter a capacidade de seguir em frente”. É, portanto, conceder todas as condições para desempenho de suas funções sacerdotais.

Pastores que possuem salários iguais a de executivos de grandes empresas, me parece, um equívoco, para não dizer indecência. Empresas produzem e ganham em função de produtos e serviços oferecidos no mercado. Igrejas vivem de contribuições, em sua maioria, de pessoas pobres e assalariados, inclusive, órfãos e viúvas. Os textos bíblicos que tratam de contribuições na igreja reforçam a ideia de comunidade, onde alguns receberão uma parte redistribuindo o restante no cuidado de “todos”.

É triste perceber e saber que alguns “generais” da religião ganham muito, enquanto que a outros companheiros seus, possuidores dos mesmos dons e dedicação, são oferecidos as “migalhas” que caem da mesa dos senhores. Devem todos ganharem salários astronômicos? Claro que não. Como dissemos acima, “sustentar” é “manter a capacidade de seguir em frente”, não oferecer ao líder religioso recursos abundantes que lhes tentem a “juntar tesouros na terra” (carroS, CasaS, FazendaS, ImpérioS).

A comunidade vai sustentar os líderes em suas necessidades, conforme sua capacidade. Isto significa que cada família pastoral receberá apenas o suficiente para atendimento de suas demandas básicas: alimentação, moradia, transporte, educação e plano de saúde. Nada mais, nada menos. Portanto, se um líder possui esposa e dois filhos, será amparado com valores maiores do que aquele que não possui filhos. Lógico. Se dois pastores, de uma mesma igreja, possuem as mesmas necessidades, devem ser sustentados de forma igualitária. Isto é justo.

Precisamos, de cima a baixo, retornar aos princípios genuínos cristãos, e para isto, não se pode apegar as letras frias, mas, ao Espírito que permeia as Sagradas Escrituras. Espírito de amor e compaixão, de companheirismo e humildade, espírito de “comum unidade”, onde todos “tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada”, haja vista que “repartiam entre si”.

Que Deus nos inspire a pensar como Cristo pensa, a olhar como Cristo olha, sentir como Cristo sente e fazer como Ele fez, e manda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Quatro Pilares Para Uma Família Feliz

Família é a reunião de pessoas formada a partir da união de dois indivíduos distintos que resolvem, por livre e espontânea vontade, unir-se com vistas a alcançar um objetivo comum: viver suas vidas, amparadas, um pelo outro, superando os desafios até a conclusão de sua jornada terrena.
Mas, afinal, quais os ingredientes necessários para um bom casamento? Quais os elementos que compõem uma família feliz? O que precisamos fazer para que nosso lar seja um lugar onde as pessoas se sintam bem em estar e desejem em todo tempo, desfrutar? Muitas ações, hoje, estão voltadas para correção de relacionamentos, porém, acredito que maior ênfase deve ser dada a prevenção. Compreender o que é um casamento, obter o preparo adequado e esforçar-se por cumprir seu papel nesta relação.
É claro que não existe uma fórmula mágica que, adotada, faz, instantaneamente, que tornemos nossa família feliz. Por favor, não confundamos família feliz com família perfeita. Uma família perfeita não existe e não é possível…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…