Pular para o conteúdo principal

Nossa Juventude Precisa Conhecer Limites, Disciplina e Respeito

O exemplo das escolas militares, segundo Bolsonaro
Brasil 27.08.17

Das 147 mil unidades públicas de ensino básico registradas no Brasil, cerca de 0,1% estão sob batuta militar, segundo a Folha. São 13 comandadas pelo Exército e dezenas nas mãos de PMs estaduais.

Jair Bolsonaro disse ao jornal que, se eleito presidente, multiplicará o modelo, fechando parcerias com as redes municipal e estadual, embora reconheça ser impossível cobrir 100% da malha escolar, até porque “faltariam recursos”.

Mas as escolas militares “passariam a ser exemplares”, pois nelas há, segundo ele, “educação moral e cívica, cultua-se o respeito às autoridades, no intervalo não tem maconha, o pessoal corta o cabelo, cobra-se o dever de casa”.

À frente do MEC (Ministério da Educação), Bolsonaro colocaria um general – alguém “que represente autoridade, amor à pátria e respeito à família”.

Fonte: oantagonista.com.br

Para salvarmos as gerações futuras do caos social e moral que os partidos de esquerda nos meteram, precisamos fazer uma mudança radical em nossas escolas. Nossos jovens precisam saber que nenhuma liberdade é absoluta, que ninguém pode fazer o que dé na cabeça sem respeitar os limites do direito do outro e sem arcar com as consequências de seus atos, que ninguém pode fugir de suas responsabilidades perante Deus, a família e a sociedade em que vive.

Vamos à escola para estudar, conhecer e capacitarmo-nos numa profissão. Escola não é parque de diversão. Por esta razão, concordo e apoio a militarização das escolas públicas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.

As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.
Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.
Órgão com ab…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…