Pular para o conteúdo principal

Cristo Está Morto! ...de Vergonha.


As Assembleias de Deus na Bahia foi construída sobre os ombros de homens e mulheres altruístas e dedicados que seguiam os conselhos bíblicos com a radicalidade exigida de quem, verdadeiramente, se converteu a Cristo. Foi desta forma que ela cresceu, se consolidou e tornou-se referência de conduta cristã e legítima representante do movimento pentecostal. Seu povo, ordeiro, decente e piedoso, nutria profundo respeito da população por serem responsáveis, honestos, humildes e fiéis.

Mas o crescimento trouxe consigo o desassossego de uma estrutura cada vez maior para suportar um organismo em expansão. A quantidade cada vez maior de congregações exigia mais esforços de sua liderança, pois, com uma administração centralizada, a mobilidade e os recursos passam a ser compartilhados para sustentar a própria estrutura administrativa. É essa estrutura administrativa que, no afã de conceder segurança futura aos seus ministros, fundam uma associação de pastores, conhecida como Convenção.

Órgão com abrangência estadual e filiada a uma convenção geral (CGADB), assume para si o controle sobre a consagração de novos ministros e, também, através desses seus ministros, a gerência de todas as igrejas Assembleia de Deus na Bahia. Ao longo dos anos, o poder desta convenção foi se consolidando e gerando atração que transcendia a esfera espiritual, empurrando suas relações e disputas para o campo meramente secular e político. Era certo que, mais cedo ou mais tarde, o desentendimento e a insatisfação se tornariam evidentes e gerariam suas consequências.

O único lugar onde muito poder não gera problemas é no céu. Mesmo assim, no passado, já houve (queda de Lúcifer).

Na convenção de pastores, alguns ministros se desentenderam na disputa pelo seu comando. Como resultado do litígio, arrastaram as Assembleias de Deus em Salvador para o meio da contenda. A assembleia de Deus em Salvador (ADESAL) rompe com a convenção baiana (CEADEB) e funda sua própria convenção (CONFRAMADEB). Nesta briga farisaica, os dois lados usaram todas as armas que podiam, inclusive judiciais. Armas carnais, especificamente, pois as espirituais só apareciam nos discursos de púlpitos e nos vídeos na Internet.

Nem mesmo um Magistrado secular conseguiu convencê-los do erro que cometiam: “Como é que vocês não resolvem problemas deste tipo e trazem para o Juízo resolver? Vocês que pregam amor, vocês que pregam unidade, vocês que pregam amizade, vocês trazem isso para aqui?” Ainda, na preliminar das audiências judiciais, o Magistrado pergunta: “Há proposta de acordo entre as partes?” Pergunta protocolar que, para pastores cristãos em conflito, é um verdadeiro esbofetear a face. Mas eles, os pastores, seguem destemidos: “Não! Sem acordo”.

Paralelo ao enfrentamento jurídico, a Convenção de pastores inicia seu plano de tomada de templos e transformação de congregações em campos para estarem sob sua jurisdição. A revoada e tumulto foram generalizados. Agressões entre membros, portas arrombadas sob gritos pela madrugada, força policial sendo acionada para arrefecer ânimos e restabelecer a ordem pública, separação de famílias, cristãos desistindo da fé, neófitos enfraquecidos ainda mais e partidarização do ambiente assembleano em Salvador.

Os líderes envolvidos não se importavam com o escândalo, não se importavam com as agressões mútuas e os danos causados aos seus membros, congregados e a comunidade baiana a ser alcançada pelo evangelho. O desejo de poder e as estratégias para mantê-lo ou alcançá-lo prevaleciam. Em defesa de seus interesses pessoais, discursaram: “a Igreja é de Cristo!” Que Cristo? O da Bíblia? Aquele Senhor da Bíblia “morre” de vergonha de vocês. Leiam novamente a primeira carta de Paulo aos Coríntios, a carta de Tiago, e tragam outra vez à vossa memória o que disse o Mestre Jesus sobre “casa dividida”.

Dói na alma perceber que chegamos a este ponto.

Fui separado para o Presbitério no ano de 2003, e no desenrolar da contenda, por várias vezes, tentaram incluir meu nome para o pastorado. Tenho consciência da minha missão, mas, também tenho consciência dos motivos genuínos pelos quais uma pessoa deve ter o reconhecimento de seu pastorado. Fazer número para convenção de pastores não está entre esses motivos biblicamente genuínos.

Mas, enfim, eis que nestes dias, surge um novo remexer no vespeiro. Um provável acordo entre a CEADEB e a diretoria da ADESAL que, espera-se, colocará fim ao litígio. Sem maiores detalhes, pelo acordo vislumbrado, o comando da Assembleia em Salvador será finalmente da CEADEB. O seu atual pastor será transferido para outro campo e um novo pastor, indicado pela CEADEB, se estabelecerá na capital baiana. Tudo isto a ser sancionado pelo Corpo Ministerial da ADESAL e pela Assembleia Geral de seus membros.

O Pastor Israel Alves Ferreira, em vídeo, expõe seu cansaço com a batalha judicial travada nestes últimos oito (8) anos e informa sua disposição em aceitar o acordo proposto pelo presidente da Convenção de pastores, Pastor Valdomiro Pereira. O sinal de alerta vem da área jurídica da ADESAL, informando um quadro não tão claro como se fazia crer. É esperar pra ver. “Ainda muita água vai rolar por baixo dessa ponte.”

No entanto, apesar de toda incerteza, de toda nuvem cinza que paira sobre a Assembleia em Salvador, de todo tumulto e constrangimento causados aos fiéis, ainda “prefiro uma falsa paz, do que uma guerra verdadeira. Pelo menos, preservam-se os inocentes”.

Eis que ouve-se júbilo de alguns incautos Ceadebianos exultantes com a renúncia do Pr. Israel Ferreira e a ascensão do Pr. Valdomiro Pereira sobre a Assembleia em Salvador. Saibam que nesta guerra o que não se tem é vencedores. Todos perderam! Todos foram vencidos pelos ardis de Satanás. O nosso inimigo enganou vocês e suas organizações humanas. Esta é apenas “uma vitória aparente numa guerra onde cada um, de todos, morreu um pouco... e alguns morreram totalmente”.

Casa dividida! Casa dividida! Casa dividida! Não subsiste! Não subsiste! Não subsiste!

Pr. Israel Ferreira sai machucado e humilhado; o Pr. Valdomiro Pereira entra manchado e enfraquecido, assumindo a Assembleia em Salvador com a “espada de Dâmocles” sobre sua cabeça. Um adendo: Como disse Cristo: “quem com espada fere, com espada será ferido”.

Agora, alegando um espírito conciliatório, misericordioso e perdoador, todos os líderes e seus combatentes farão pose de inocentes, vítimas e vencedores. Parecem crer que, neste período de pós-modernidade cristã, não importam os fatos, mas, sim a narrativa. Enganoso coração! Não existe falsa verdade, nem fatos falsos. Fatos são fatos, evidência da verdade registrada na história passada e presentes em nossa memória que gritam insistentemente: “eu sei o que vocês fizeram na primavera passada”. Se não houver sincero reconhecimento dos erros praticados e humildade para reconhecer a necessidade de mudança na condução das instituições que representam, o passado e nossa consciência continuarão gritando: “EU SEI O QUE VOCÊS FIZERAM NA PRIMAVERA PASSADA”.

Não somos juízes de nossos irmãos, mas, foi o próprio Deus, em Cristo, que diz serem suas obras (frutos) o testemunho de sua cegueira espiritual. É a Palavra de Deus que os julga. Quando dizem estarem defendendo o “Reino dos Céus”, ou a “Igreja do Cordeiro”, mentem. Como enxergar defesa do Reino dos Céus quando brigam pelo comando de uma Convenção de pastores? Como enxergar defesa da Igreja usando partes desta mesma igreja para enfraquecerem e tornar inviável a própria igreja? Como enxergar compaixão pelo povo da Igreja quando, insensivelmente, promoveram dissensão, perturbação e litígio entre irmãos, inclusive em tribunais seculares?

Vou repetir o que acredito deveria ter sido feito se, minimamente, estivessem interessados em preservar a Igreja do Senhor Jesus abrigada nas Assembleia de Deus em Salvador e na Bahia: “A renúncia de toda diretoria da ADESAL e da CEADEB, trocando-os por outros honrados pastores, que teriam a dificílima missão de recuperação espiritual e moral desta denominação baiana”. Por que não? As razões da negativa a esta ideia passa pelos interesses e egos pessoais.

Oremos!

Mas, orar só não basta. É preciso atitude, posicionamento daqueles que, desde cedo, identificaram a essência desta briga e perceberam que ela nunca foi em defesa do evangelho e, sim, por “templos e poder”. Infelizmente, muitos desses cederam ao medo das perdas e a possibilidade de maiores graduações eclesiásticas como moeda de troca pelo silêncio de suas consciências.

Mas, e agora? Quem vai pagar esta conta?

Como bem disse o pastor norte-americano, Martin Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons”. E em outra frase atribuída ao mesmo pastor, encontro minhas conclusões: A verdadeira medida de um homem não se vê na forma como se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas em como se mantém em tempos de controvérsia e desafio”.

Choremos todos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

Quatro Pilares Para Uma Família Feliz

Família é a reunião de pessoas formada a partir da união de dois indivíduos distintos que resolvem, por livre e espontânea vontade, unir-se com vistas a alcançar um objetivo comum: viver suas vidas, amparadas, um pelo outro, superando os desafios até a conclusão de sua jornada terrena.
Mas, afinal, quais os ingredientes necessários para um bom casamento? Quais os elementos que compõem uma família feliz? O que precisamos fazer para que nosso lar seja um lugar onde as pessoas se sintam bem em estar e desejem em todo tempo, desfrutar? Muitas ações, hoje, estão voltadas para correção de relacionamentos, porém, acredito que maior ênfase deve ser dada a prevenção. Compreender o que é um casamento, obter o preparo adequado e esforçar-se por cumprir seu papel nesta relação.
É claro que não existe uma fórmula mágica que, adotada, faz, instantaneamente, que tornemos nossa família feliz. Por favor, não confundamos família feliz com família perfeita. Uma família perfeita não existe e não é possível…