Pular para o conteúdo principal

Não Há Justificativa Para Falta de Um Bom Relacionamento em Família

“Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel (1 Tm. 5:8).
 
A família deveria ser a instituição onde melhor desfrutássemos das relações interpessoais. Digo “deveria” porque basta uma análise das relações familiares para percebermos como nos tratamos. Somos arrogantes, implicantes, arredios, insensíveis, mal-humorados, deseducados, omissos e agressivos quando tratamos com nossos pais, nossos irmãos e irmãs. A forma como nos relacionamos no ambiente familiar é tão sem nexo que, havendo um animal de estimação, o relacionamento com o animal causa inveja aos seres humanos. É o carinho diário, a preocupação com a limpeza do lugar onde costuma ficar, a atenção com a hora da alimentação, o cuidado com a recuperação nas doenças, enfim, é o interesse pessoal e a dedicação intransigente pelo seu bem-estar.
 
Em muitas famílias, hoje, sentar à mesa é substituído pelo sentar à frente da TV e continuar ignorando o outro, é ser insensível às necessidades físicas, emocionais e espirituais do irmão, da irmã, do pai, da mãe e dos filhos. Não temos tempo, estamos cansados, temos outras coisas por fazer e, assim, colocamos nossa relação familiar num nível inferior ao de amigos, colegas e “irmãos da igreja”. Sim, senhores, “somos mais amigos dos amigos de que dos nossos irmãos, pais e filhos”.
 
Aliás, o ambiente religioso, muitas vezes, rouba o tempo da família. Sob pretexto de “cuidar das coisas de Deus”, abandonamos nossa família à própria sorte, num ambiente onde é “cada um por si e Deus por todos”. Para “cuidar das coisas de Deus” largamos nossos filhos, esposas, maridos e pais sozinhos. Dentro do ambiente do templo gritamos: “eles são importantes para nós!”, já no cotidiano...
 
Há tempo para todas as coisas debaixo do céu” (Ec. 3), só não há tempo para nossas relações familiares.
 
Retendo-me ao comum, não conseguimos nem almoçar direito com nossa mãe porque as atividades na escola dominical nos faz chegar depois das 12h, tendo que correr porque logo no início da tarde temos mais programação e atividade religiosa. Não podemos “perder tempo” para saber como ela estar, o que precisa ou, pelo menos, conceder-lhe tempo apenas para desfrutar de nossa companhia.
 
A despeito do que diz Deus em sua Palavra (1 Tm. 3:5; Mt. 15:3-6; 1 Tm. 5:4,8; 1 Co. 7:33; Pv. 31:10-31; Ef. 5:29; 1 Tm. 3:4; Ef. 3:14-19), transformamos nossa família num fardo. Nossos pais, irmãos, irmãs e filhos deixaram de ser, para nós, uma benção, um presente, uma joia preciosa que desejamos ardentemente cuidar, proteger, guardar e priorizar.
 
O que fazer? Precisamos nos adequar enquanto temos tempo, sob pena de colhermos as consequências da negligência num futuro não tão distante (2 Tm. 3:3 – “sem afeto natural”). As palavras que devemos olhar com atenção são: Organização e prioridade. Organizar nossas agendas de tal modo que nos possibilite priorizar nossa família, priorizar nossas relações intramuros, fornecer àqueles que vimos, ou nos viram, nascer e crescer, tempo de qualidade que possibilite um amadurecimento e crescimento em amor e zelo.
 
Eu e minha casa serviremos ao Senhor” (Js. 24:15). Isto já fazemos faz tempo. Precisamos é servir uns aos outros e nos relacionarmos melhor uns com os outros em nossa casa. Talvez, assim, agrademos mais ao Senhor que dizemos servir (1 Jo. 3:17; 4:21).
 
Parafraseando 1 Jo. 4:20 – “Se alguém diz: Eu amo a Deus, e não se relaciona bem com seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, com quem convive, como pode amar a Deus, a quem não se vê?”
 
Pense nisto, e mude pra melhor!

Comentários

Lúcio Candido disse…
Parabéns,Eliel.Seu blog está ótimo. Gosto dos seus textos. Aforma como você trata alguns temas é abrangente e inteligente.

Postagens mais visitadas deste blog

Porteiro, Auxiliar, Diácono, Presbítero, Evangelista, Pastor. E Mais. Missionária, Bispo, Apóstolo. O Que é Tudo Isso?

De repente, somos sobressaltados com a notícia: "Mais algumas dezenas, e até centenas, de novos obreiros para servir no Reino de Deus". A notícia seria boa, se guardasse a essência dos requisitos bíblicos exigidos para novos obreiros e preservassem o propósito divino na separação de novos chamados.
Para que precisamos de porteiros? Óbvio. Para guardar as portas. Porteiro era considerado Levita, desenvolvia, também, a tarefa de arrecadador de ofertas (2 Cr. 31:14) e vigia (Mc. 13:34); Jesus menciona o porteiro como responsável pela guarda da porta do aprisco das ovelhas (Jo. 10:3; ver também Ed. 7:24). É improdutivo, uma igreja de porta única, com uma quantidade exagerada de porteiros para servir.
Para que precisamos de auxiliares? Há pessoas mencionadas na Bíblia como "cooperadores", no entanto, sem evidência de se referir a um cargo. Eram pessoas que haviam prestado algum tipo de auxílio à alguém, em algum momento específico (Fp. 2:25; At. 20:35). Pode ser até o mes…

CEADEB x ADESAL - É feio, muito feio!

Os desdobramentos do litígio entre o presidente da CEADEB e o presidente da ADESAL prossegue revitalizando as feridas causadas pelo rompimento do vínculo de alguns pastores de sua convenção (CEADEB).
No mais recente episódio, uma decisão judicial interlocutória - sem definição de mérito - tomada na ação que a CEADEB move contra a ADESAL, foi entendida como um ato de destituição do pastor Israel Ferreira do comando da Assembleia de Deus em Salvador. Sem querer entrar nas questões técnicas da decisão (deixo isto para os advogados e rábulas), a decisão não dá nada a ninguém, haja vista uma série de “condicionantes” expressos no comando judicial. Na verdade, a decisão da desembargadora é uma espécie de carta do apóstolo Paulo aos Coríntios na versão para os assembleanos baianos: “se entendam!”
Ato seguinte a decisão mencionada, o pastor Valdomiro Pereira distribui um vídeo para os obreiros assembleanos. Nele, informa (ou desinforma) a plateia que o pastor Israel Ferreira foi destituído do…

QUANDO É HORA DE MUDAR DE IGREJA

Igreja, genuinamente falando, é aquele lugar onde se reúne um grupo de seguidores de Cristo com objetivo de adorar a Deus, receber ensinamentos, evangelizar e ajudar uns aos outros (At. 2:40-47). Foi com esta clara missão em mente que o apóstolo Paulo informa-nos que Deus colocou à nossa disposição os dons espirituais, a fim de edificarmos uns aos outros e estarmos aparelhados para proclamação do evangelho. Tiago esclarece outro ponto principal da igreja, dizendo que a verdadeira religião é cuidar das viúvas e dos órfãos nas suas necessidades. Por fim, as características da igreja primitiva que a tornou marcante, referência de igreja bíblica, foi que eles tinham tudo em comum e ninguém sentia falta de nada, eram solidários no partir do pão, desfrutavam da comunhão e comungavam da doutrina dos apóstolos, esta, por sua vez, Cristocêntrica.

No domingo passado fui à igreja com minha família e contei. Numa rua com, aproximadamente, quinhentos (500) metros de comprimento, cerca de treze (13…